Análise: High School DxD BorN - Ep. 10



A próxima análise do Portal AMLN irá ocorrer somente após o lançamento do episódio 12. Sendo assim, os episódios 10, 11 e 12 estarão todos juntos em uma única análise. Enquanto isso, aproveitem de uma forma especial.
Em parceria com Iury Kozlowsky, este espaço estará disponível. Nele, semana a semana, até o último episódio de High School DxD BorN, as análises de Iury estarão sendo postadas, e vocês, poderão comentar e discutir sobre o episódio ocorrido e também sobre o episódio que está por vir, já que a área estará liberada. Fiquem ligados, pois a postagem será atualizada a toda semana.
Mas daí você, leitor, se pergunta: "Quem diabos é Iury?!". Iury é um leitor da tradução de DxD que fazemos no site (vocês já devem ter visto ele comentando aí) e um fã de DxD que tem feito algumas análises dos episódios. Ao conversar com ele, decidi trazer esse conteúdo.

Para dar início, temos a análise feita por ele do episódio 10. Sendo assim, boa leitura.

Episódio 10:


(Os preguiçosos podem pular para o terceiro parágrafo) Primeiro vou aproveitar pra responder algumas colocações que me fizeram na análise anterior, sobre a troca da música pela batalha. Bom, tenham em mente que o próprio Vali falou que dragões em fúria não escutam nada além de canções, não só em fúria como em qualquer estado. Calmo, alegre, agitado ou sonolento, eles interagem de acordo com os diferentes tipos de músicas e canções (tanto que eles precisam de uma no pra entrar no JD). Resumindo, a presença de uma música era inevitável. A do Oppai Dragon foi um fator revolucionário. Quando você vê, não só os dragões normais, como até mesmo os antigos Sekiryuuteis reagindo a músicas diferentes, você percebe a importância disso, percebe que em um estado de fúria, o hospedeiro pode escutar uma canção e retomar sua postura, percebe que em um sono profundo, o simples tocar de uma flauta pode ser o suficiente para despertar. Até que um dia, um Sekiryuutei diferente reage a uma música diferente, uma música que fala da forma mais profunda e espiritual sobre o a maior importância do universo: “Peitos”.

SERÁ QUE AGORA DEU PRA ENTENDER A DIFERENÇA??? Se fosse nesse contexto, a música não teria o sentido "sem graça" que muitos estão vendo agora. Se fosse nesse contexto, todos veriam que sair do Juggernaut Drive por causa de algumas lágrimas que caíram sobre a Scale Mail é algo totalmente sem nexo. Se fosse nesse contexto, os fanboys de Shounem parariam de aglomerar em volta de DxD e a série manteria seu foco original: “Ser idiota”. A reação de todos ou ouvir, e as gargalhadas com a cena, é algo que infelizmente foi perdido para sempre. Por mais que a música ainda seja colocada (grandes chances de ser), não terá o mesmo sentido, é como ir para a estação pegar um trem que já se foi. Até mesmo na novel, o ecchi é um detalhe que está sumindo aos poucos. Depois de algum tempo, quando finalmente aparece uma cena ecchi, como uma bomba, todos se esquecem das dezenas de capítulos que leram sem ver sequer uma teta de fora. Na verdade essa galera só continua acompanhando DxD porque no fundo eles sabem que os produtores continuarão o anime a favor deles, afinal eles são a maioria, através deles que vem o lucro, a principal importância em tudo isso.

Enfim, agora focando no episódio 10. Até a primeira cena estava ok, tudo ocorrendo conforme o planejado, Azazel conversando com Ddraig. Mas depois da opening... pelo amor de Arceus. Eu sou INCAPAZ de gritar um “vai tomar no cu” alto o suficiente para expressar o que eu penso disso. O treinamento com a cura de longo alcance da Asia não foi mostrado, tampouco ela utilizou na batalha contra o Loki, então eles resolveram colocar ela pra acordar o Issei. Bom, isso também serviu pra dar uma expectativa de que os laços entre eles “estão mais fortes” (pelo menos era o que devia parecer), já que a aproximação deles comparada à da novel praticamente não existiu. De forma geral seria uma ideia boa do estúdio... se a Asia não precisasse estar em outro lugar naquele momento. Pra quem não sabe, na novel quando o Issei acorda, ele recebe um “holograma” do Sirzechs que o explica toda a situação. Depois ele percebe que está atrasado pra corrida de três pernas, se teleporta até onde a Asia está, eles correm e vencem. Depois a Rias aparece e diz: “Asia, faça seu melhor”, aí a Asia leva o Issei para trás do ginásio e então, só então eles se beijam. Resumindo, a Asia não tomaria iniciativa se não fosse incentivada. Não só isso, como também no anime a Rias demonstrou estar “indignada” com o que tinha visto, estranhei aquilo por um momento, e só depois percebi que as coisas mal tinham começado a piorar. Afinal, por que eles fizeram essa mudança? Tinha tudo pra acabar normalmente como o final do volume 6, com a corrida e o beijo. Qual o motivo disso? Então eu lhes digo: Loki!

Sim, sabíamos que ele voltaria, mesmo sendo totalmente fora de contexto, e a partir da cena do beijo, nenhum dos leitores conseguiu reconhecer DxD, e então, só então caiu a ficha. UM FILLER!! (o certo seria “semi-filler”, mas enfim). DxD Born ganhou seu primeiro filler! Uma história totalmente diferente. Onde uma parte da Scale Mail se separou depois do JD devido à maldição do Loki. Na verdade essa maldição foi o motivo de tudo em DxD ter ido descarga abaixo. Se o Loki não tivesse aparecido no início, nada disso teria acontecido. NADA mesmo. Mas ele precisou aparecer, pra que? Pra amaldiçoar o Issei e gerar duas coisas: A luta de JDs e o clone do Issei. Pra piorar, eles relacionaram a maldição do Loki com o despertar do JD. Na boa, isso foi o cúmulo da apelação. Isso deixa subentendido que se o Issei não estivesse amaldiçoado, ele não teria entrado no JD.

Logo depois, a cena do Preview anterior não era do Issei se declarando como muitos pensaram. Há tempos que eu parei de dar palpites sobre os Previews, ainda mais os que vêm sem legenda, já perdi a conta de quantas conclusões erradas já vi tirarem com isso. Continuando, o falso Issei vai falar com a Rias, que parecia “deprimida”, e a “consola”. E então tem um corte que nos leva ao treinamento do Issei e da Asia pra corrida, Issei se dá conta de que esqueceu o relógio no clube e volta para buscar. Encontra com a Koneko, entra no clube, percebe o que houve e vê a Rias abraçada com seu clone. Quando tenta tomar alguma atitude, Rias o impede e o falso Issei usa uma magia de teleporte.

Não tenho muito o que argumentar sobre essa parte, não só por não estar na novel, como por ser um filler puro e cru, que acabou de sair da bunda de algum funcionário da TNK. A Koneko ainda disse que o Issei falso e o verdadeiro tinham a mesma aura, ou seja, ela não conseguiria diferenciá-los. Mas cá entre nós, ela usa Senjutsu. Como CARALEOS uma Nekomata que usa Senjutsu não consegue diferenciar um "Issei" que possui um nível me magia fora do normal? Pelo que eu saiba, o Issei normal não conseguiria se teleportar com apenas um dedo, não é mesmo? Enfim, depois de trocar um papo com Odin, Loki decide imitar a ‘Annie de Shingeki no Kyojin’ e se cristalizar [selar] para não dizer mais nada, afinal isso é muito sensato. Logo depois mostra a cena em que a Ross conversa com o Issei e explica sobre a maldição, e como eu pensei, relaciona com a Raynare. Não sei se foi intencional ou se os produtores tem alguma demência, mas o Issei vem tendo essas visões com a Raynare desde o episódio 1, MUITO ANTES de ser amaldiçoado. E seu trauma sobre relacionamentos por causa da Raynare só é explicado em volumes mais adiante, e todos sabem no que resulta. Não vou contar para evitar mais spoilers, mas essa “antecipação” só vai confundir ainda mais a cabeça de quem não lê a novel, afinal, qual o sentido de o Issei de repente falar que está assustado ao pensar no que as garotas sentem por ele? Enfim, talvez isso realmente aconteça nesses últimos episódios, algo que para alguns pode, não, com certeza vai ser agradável, afinal, fanservice, é o que há. No final Issei diz que vai encontrar com Vali, ou seja, vai pedir ajuda dele para cuidar do Loki e resgatar a Rias. Eu mesmo não sei aonde essa palhaçada toda vai dar. Mas o que importa é que a encheção de linguiça começou pra valer. Mesmo com história até o talo pra explicar, eles preferem dedicar os episódios pra encher de fanservice. Palmas, apenas isso, palmas.

Só mais uma coisa, não sei de onde as pessoas tiram que “ecchi = fan service”. Por mais que alguns animes usem esse fator para “apelar”, entendam que não só em DxD, mas em inúmeros outros animes ecchi, NÃO EXISTE ESSA RELAÇÃO!! O ecchi no caso de DxD, é como se fosse seu sobrenome. Issei ponderando, meditando e cantando sobre peitos, espiando garotas e depois fugindo quando é flagrado, etc. Mais ainda assim possui fansercive, como por exemplo, qualquer esbarrão (ou qualquer magia aleatória) faz as garotas ficarem seminuas, deixando calcinhas amostra e fazendo os oppais começarem a balançar. Essa é a diferença. Também tem outros tipos de fanservice, como a luta de JDs, etc. O fanservice, não só pode, como deveria ser diminuído do anime, mas o Ecchi não. A TNK quer tentar substituir o Ecchi pelo Shounen e lascar fanservice pra compensar. E esse é o resultado que estamos vendo.

Não há mais nada para ser mostrado em High School DxD Born, pelo menos não os principais acontecimentos dos volumes 5, 6 e 7. Isso não quer dizer que foi tudo mostrado, pelo contrário, foi mostrado apenas o que eles queriam que aparecesse. A partir de agora os episódios servirão para terminar o “filler do Loki” e adicionar alguns detalhes a mais. Diferente de muitos, não vou chegar ao ponto de dropar. Não que eu tenha alguma esperança nessa temporada, verei apenas por curiosidade, quero saber o que vão conseguir salvar e o que vão consegui estragar mais ainda.


Caso não se importem, curtam, compartilhem, comentem, opinem. Caso queiram também contribuir com o site, inscrevam-se para receberem notícias por e-mail e/ou cliquem na propaganda que abre no canto esquerdo. Caso não queiram fazer nada disso, é opção de vocês e eu entendo. :)